sábado, 1 de outubro de 2011


SALVE RAINHA:
ORIGEM E HISTÓRIA

por Pe. Antonio Clayton Sant'Anna, C.Ss.R

Em Jesus, e por Ele, o objeto de nossa oração e culto é sempre Deus. A oração cristã é sempre latêutrica ou adoração a Deus (latria). As invocações a Nossa Senhora e aos santos não têm essa essência teológica, mas derivam do ato de fé na comunhão dos santos (Credo, art. 9). As devoções marianas não sã culto de adoração e sim veneração especial (hiperdulia). Fortificam nossa união com Cristo e nos ajudam a contemplar seu mistério.
Assim, a piedade cristã foi produzindo ao longo dos séculos orações populares. Entre elas a Ave Maria, a Salve Rainha e o Rosário. A origem da Salve Rainha, prece e hino, é discutida. Há muitas pesquisas sobre os possíveis autores. Cada uma com seus argumentos históricos. Seria até um hino da primeira Cruzada. A opinião mais sustentada atribui esta oração e hino ao beneditino alemão Herman Contrat, em 1050. Ele nasceu com graves problemas de saúde e teve uma vida muito sofrida. No convento, compôs inúmeras antífonas e cânticos devotos. Na sua época (séc. 11), a Europa medieval passava por guerras, devastações, calamidades. É provável que a condição de saúde e o contexto social influenciaram as súplicas aflitas e esperançosas do autor da Salve Rainha.
É certo que ela não nasceu prontinha como a conhecemos. Foi recebendo acréscimos e retoques e enfim incorporada ao Rosário, devoção hoje considerada como: "o compêndio de todo o Evangelho". O Rosário é prece eminentemente cristológica, quer dizer, centralizada em Cristo. É Cristo que nos faz compreender Maria e não Maria que nos faz compreender a Cristo. O mistério do Filho é concretamente o mistério da Mãe. Se a devoção mariana nos leva só de modo implícito a Jesus, ela é imperfeita. A cultura moderna pode achar estranha algumas palavras da Salve Rainha: degredados filhos de Eva; vale de lágrimas; este desterro... Mas, elas expressam a nossa profunda indigência, enquanto as súplicas: a vós bradamos, suspiramos, vossos olhos a nós volvei, mostrai-nos Jesus traduzem confiança em Maria. Na sua vida terrena ela se abandonou totalmente a Deus até nas horas mais angustiantes.
Esclarecidos por seu exemplo de fé, pedimos sua ajuda para superar uma prática religiosa acomodada na rotina ou iludida por esperanças ilusórias de resolver todas as dificuldades. No Santuário da Mãe Aparecida nosso olhar filial repousa em seu olhar misericordioso, e confiantes exclamamos: ó vida, doçura, esperança nossa: salve!

SANT'ANNA, Antonio Clayton - Salve Rainha: Origem e história - Revista de Aparecida: Questões de fé - Ano 10 - Nº 115 - Aparecida, 2011.

http://spa.fotologs.net/photo/26/27/58/g_malta/1142520449_f.jpg

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! Coloque aqui o seu comentário. Deixe sua sugestão, elogio ou reclamação.
Obrigado por fazer este blog melhorar a cada dia!