terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Pobres sim. Pobreza não


por Dom Anuar Battisti
Arcebispo de Maringá 

O evangelista São Mateus no capítulo 5, 1-12, relata o prólogo do Sermão da Montanha. Este sermão é uma inversão dos valores tradicionais. Os hebreus cultivavam a convicção de que a prosperidade material e o sucesso eram sinais de benção de Deus e a pobreza e a esterilidade, sinais de maldição.
Jesus muda esta lógica. Agora os "bem aventurados" não são mais os ricos deste mundo, os saciados, os favorecidos, mas os que têm fome e choram, os pobres e os perseguidos.
As nove bem-aventuranças estão resumidas na primeira: "bem-aventurados os pobres"... "pobreza" é um conceito que engloba muitos aspectos: econômico, social, cultural, espiritual, carência de dignidade e de direitos humanos, privação da liberdade, negação da voz e do voto, exploração, injustiça, opressão, enfermidade.
O primeiro pobre foi Jesus que, sendo Deus, não encontrou lugar nas hospedarias e morreu pobre, despojado de tudo. O Mestre submeteu-se a este caminho por obediência ao Pai a fim de dar-nos vida e dignidade nesta terra e uma eternidade feliz.
Onde existe riqueza existe poder, honrarias, privilégios, e com frequência, excluídos. Este estilo de vida contradiz as exigências evangélicas da humildade, da renúncia, da igualdade, do amor solidário. Vele sempre recordar que a Palavra diz que é mais "fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no Reino".
O discurso de Jesus é claro, objetivo e, suas exigências, um imperativo que determina os passos do seguimento Dele. Assim as bem-aventuranças constituem um conjunto de normas e conduta para todos os cristãos, todos aqueles que se decidem seguir Jesus, custe o que custar.
Essas normas são para serem vividas, principalmente em nível pessoal. A dimensão comunitária vem como consequência, pois ninguém é uma ilha. Tanto que para vir a este mundo precisamos de duas pessoas.
O meu testemunho de fidelidade no seguimento do Mestre Jesus, será para os meus companheiros de viagem na comunidade, estímulo e encorajamento. Na medida em que persevero como indivíduo na prática evangélica, com certeza faço crescer em todo o corpo eclesial, a graça da fidelidade.
No caminho de seguimento do Mestre Jesus, não faltará provações e obstáculos. O primeiro e maior perigo é o desânimo. Aliás, isso ocorre não só em relação as exigência do ser cristão, como também na vida concreta do dia a dia.
O desânimo é o desafio número um de todo o empreendedor. Por mais competente ou sábio que a pessoa seja, não faltará ocasiões em que tudo parece não dar certo para ela. É por isso que na maioria das vezes não progredimos em nossos propósitos.
Na falta de vermos resultados imediatos, deixamos de lado o fundamental e decisivo. Portanto, vale recomeçar sempre com um coração de pobre, livre e desapegado de tudo e todos, para correr ao encontro daquele é a verdadeira riqueza: o pobre de Nazaré, o Homem Deus, que Se fez humano para eternizar a humanidade. Pobre sim, pobreza não.

FONTE DO TEXTO: CNBB
FONTE DA IMAGEM: http://4.bp.blogspot.com/_kxa8Uqaf01c/TKzPaDN9VII/AAAAAAAAAuo/sEgJAuOo2Oc/s1600/pobreza%5B1%5D.jpg

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! Coloque aqui o seu comentário. Deixe sua sugestão, elogio ou reclamação.
Obrigado por fazer este blog melhorar a cada dia!