quarta-feira, 3 de novembro de 2010

O Amor de Deus e a gratidão do pecador

Dom Eurico dos Santos Veloso


A história de Zaqueu está muito bem situada. Jesus está a caminho de Jerusalém. O Jesus de Lucas é o Jesus do caminho. Quase a metade de seu Evangelho tem essa característica.
Ao longo de sua jornada, Jesus vai provocando todas as pessoas. Algumas o aceitam, outras o rejeitam. É a vida abrindo caminho, em meio à rejeição e à morte. A ninguém Ele obriga. Deixa livre. O episódio de Zaqueu, portanto, coroa esse processo de caminhada. Antes de entrar em Jerusalém, ponto alto da viagem de Jesus, temos o encontro d’Ele com um caso impossível e “sem salvação”: Zaqueu, o pecador irremediavelmente perdido.
O interesse faz Zaqueu se misturar ao povo e correr à frente, como se adivinhasse por onde Jesus iria passar; e faz Jesus passar exatamente por aí, erguer os olhos para aquele que está trepado na árvore e chamá-lo. Talvez Zaqueu se contentasse em ver Jesus. Este se deixa ver, o vê e não se contenta. Quer mais e mais profundo.
É misterioso esse olhar de Jesus que vê além do que os mortais veem. E podemos perguntar: o que Jesus viu nesse baixinho corrupto e explorador, objeto do ódio de todo o povo? Zaqueu era de alguma forma, o ponto de arranque da corrupção, da impunidade e da exploração.
O pior de tudo é que Jesus decide se hospedar na casa de Zaqueu. Não vai para tomar um cafezinho e sair por alguns minutos do sufoco da multidão. Quer se hospedar. E isso significa comer e dormir sob o mesmo teto desse “bandido de colarinho branco”. O povo tem de voltar para suas casas. Jesus quer amizade com esse homem. E tem pressa: “desce depressa”. E Zaqueu “desceu apressadamente”.
O que Jesus viu de extraordinário nesse homem? Provavelmente, nada. Simplesmente viu
 um homem corrupto misturando-se com o povo que odiava como o pior pecador. Parece que Jesus leu esse gesto em profundidade, como ponto de partida para a mudança. E por isso decidiu hospedar-se na casa de Zaqueu. A mudança foi radical e a salvação aconteceu. Com Jesus, entra a salvação na casa de Zaqueu, pois esse homem não é mais um perdido por causa da riqueza, mas um filho de Abraão, pois uma das características salientes de Abraão, pai do povo de Deus, era a partilha sem olhar para si e a preocupação pela vida dos outros. O amor de Deus está além da nossa pequenez. Basta um pequeno gesto nosso em direção a Ele e, então, Ele nos dá a paz, a segurança, o perdão. Aprendamos com a liturgia do próximo domingo a viver sempre a acolhida do pecador, daquele que vive no pecado para que reabilitado possa encontrar a graça de Deus que é amor, que é acolhida do diferente, que é misericórdia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! Coloque aqui o seu comentário. Deixe sua sugestão, elogio ou reclamação.
Obrigado por fazer este blog melhorar a cada dia!